Restaurante O Cortiço: um bom exemplo

Das andanças estivais pela Beira, ficou por relatar a visita a esta instituição.


O Cortiço é obra de um iluminado que percebeu a tempo (antes do tempo?) a importância da tradição gastronómica na matriz cultural dos povos e a absoluta necessidade da sua preservação num tempo de homogeneização e rápida adulteração dos hábitos.

Dom Zeferino, percorreu (nos anos 70 e 80) aldeias e vilas da região em colecta apaixonada e o resultado está espelhado em muitos dos pratos da ementa.

Bacalhau podre apodrecido na Adega, Bacalhau à lagareiro, Polvo frito tenrinho como manteiga, Polvo à lagareiro Feijocas com todos à maneira da criada do Sr. Abade, Rojões com morcela como fazem nas aldeias, Secretos com arroz de feijão, Cabrito assado no forno à Pastor da Serra, Coelho bêbado três dias em vida, Arroz de pato à maneira antiga, Vitelinha na púcara à lavrador de Cavernães, Aba de vitela à Lafões, Arroz de carqueija,

são nomes que nos impelem a uma estadia prolongada, num desejo de sessões contínuas só desaconselhado pelo perímetro ventral a duras penas mantido...

Pão rústico saboroso, uma rija jarra de madeira plena de um redondo vinho do Dão, 



prepararam o caminho para o triunfo de um oloroso, macio, encandeador arroz de carqueija,



muito bem acompanhado pelo coelho bêbado,


e adoçado por umas farófias correctas.


Espaço acolhedor, "típico" com tectos de madeira e a alvenaria de pedra das paredes deixada à vista, serviço normal, toalha e guardanapos de pano, talheres e copos vulgares.

Nada destacaria este restaurante não fora a excelência da cozinha e a especificidade regional da maioria dos pratos o que torna este cortiço um local de paragem obrigatória na passagem pela cidade.

Classificação: Cozinha: 3,8/5 ; Global: 14,7/20

Comentários

LPontes disse…
Conheço o sítio há muitos anos e já lá tenho de lá saído muito satisfeito.
Uma dúvida que as fotos me levantaram: o arroz de carqueja pareceu-me um pouco fora da consistência certa, uma falta de densidade ao molho, um pouco a escorrer... ou é só impressão de quem viu mas não provou?
PedroCG disse…
Não foi tanto a densidade do molho, antes o tipo do arroz. Mas o sabor era tão espantosamente apaziguador que relevou o desvio.

Nos últimos 30 dias...