Vermelho: arte e gastronomia



"O que é que vês? Vá, aproxima-te, tens de te aproximar e deixar que ela fale contigo. Que te envolva. Que comunique. Inclina-te, vá. Não esperes que ela faça tudo sozinha. Tens que te envolver também."



A peça não começa exactamente aqui mas começa aqui. Vermelho, a fictícia conversa entre o pintor Mark Rothko e o seu ajudante à data da execução do conjunto de telas para o restaurante Four Seasons em Nova Iorque.

Vermelho, onde vi verbalizadas muitas das ideias que comungo sobre a Arte.

Esperem, pareço pretensioso, não é? Desculpem, mas ainda estou entusiasmado com o texto bem como  fascinado com a situação ambivalente de Rothko. Que contradições: um socialista a aceitar "vender-se" a uma grande multinacional, para executar o que pode ser considerada uma empreitada de decoração das paredes de um restaurante.

(In case you're wondering, o artista quis, com o seu trabalho, provocar o "inimigo"; inimigo que nem sequer percebeu a provocação, o que levou Rothko - quando disso tomou consciência -  a devolver o adiantamento e a desistir do contrato.)

Ora Arte e decoração não combinam, são duas expressões antagónicas: uma obra de arte contesta, desafia, questiona, interroga, provoca, incomoda enquanto uma obra decorativa pretende exactamente o contrário, é um mar flat, uma planície sem vento, um lençol sem vincos.

Estava eu nisto, muito contente no meu papel de espectador engajado, quando me lembrei da defesa acérrima que faço da gastronomia como arte - a arte de cozinhar com o objectivo de proporcionar prazer aos que comem. Hum... Se o objectivo é unicamente proporcionar prazer não estaremos nós a endeusar o que pode ser apenas um ofício? É verdadeiramente arte ou simplesmente decoração da nossa vida?

Régis Marcon - Grenouilles
(Autor: Laurence Barruel)

Mas será puramente visceral o prazer que uma criação culinária nos traz? Não será estético o prazer que sentimos nas explosões de sabor, nas subtilezas das combinações, nas harmonias visuais, nas provocações, citações, desafios, descobertas que, a ser bem feita forçosamente trará?

Régis Marcon - Clafoutis a la rhuibarbe
(Autor: Laurence Barruel)

Contem-me lá vocês.

Comentários

LPontes disse…
É questão antiga e questão continuará enquanto a sua formulação se basear numa premissa com as voltas trocadas: "Arte culinária é um aspecto da gastronomia".
Na verdade são alhos e bugalhos, decoração e obra de arte, têm em comum algo quase acidental que é a utilização de comestíveis para as suas realizações, mas fica-se por aí. Uma é veículo para o prazer, outra provocação e interrogação. Uma é técnica, mister que tem de ser apurado e sensível apenas para não falhar o seu desiderato, satisfazer a gula,outra é invenção, tentativa, experiência.
Entre a cozinha gastronómica e a cozinha de arte, se quisermos mesmo procurar bem, achamos que é algo que se passa no mesmo espaço, a cozinha, e mais nada.
PedroCG disse…
Se bem percebi, Luís, do teu ponto de vista existe a preparação culinária - que é um ofício - e alguma culinária que é um acto consciente de realização artística e que, basicamente, se envolve com o arranjo e apresentação visual dos pratos. É isso?

Eu pensava em termos mais abstratos, ou seja: se a gastronomia é tudo o que envolve a produção de algo que dê prazer ao espectador/consumidor, será que poderemos defender que parte desse prazer é estético?

E se esse prazer for unicamente sensual será que o que o produz é um objecto artístico?

Por outro lado, se a tal "arte culinária" se reduz à elaboração de um prato "bonito", sem tensões, antagonismos ou desafios, será que não passa de um acto decorativo?
LPontes disse…
Quando falo de arte culinária, estou a pensar nas propostas inovadoras, não na questão (para mim, menor)dos empratamentos mais ou menos arrojados e estilizados; a cozinha é para mim assunto de sabor e sensação pura e mesmo no capítulo "arte", em que não é tanto a satisfação sensorial mas o seu questionamento, às vezes até violento, deve passar-se no sítio da prova real: a boca.
A questão estética valorizo-a muito pouco e até na maior parte das vezes de maneira negativa: do mesmo modo que não vamos a uma inauguração de uma exposição de pintura ou escultura numa galeria no fito de comer os croquetes e beber o mau vinho da festarola, também penso que há uma certa arrogância nestas propostas mais "enfeitadas" de pratos a imitar quadros e cozinheiros armados em artistas plásticos, sem o serem.Modas!
Por mais fumegante, estilizado ou colorido que um prato me chegue, só me agrada se me souber bem, só me encanta se souber muito bem e só me emociona se for capaz de me provocar, de me questionar tudo o que até ali eu tinha por certo, de me fazer navegar num novo "mar" desconhecido, de sabor.Esse é o que passa a fronteira e passa de comida a arte.

Como vês, nisto de artes não as ponho todas no mesmo saco. Se em quase todas, só lhes posso aceder através da aprendizagem prévia de conceitos, história, etc., já neste campo em que estamos tão bem apetrechados para o puro desfrute imediato, o paladar e o olfacto, prefiro não os contaminar com adereços intelectualizantes e ser, muito gostosamente, um "animal"
;-)
PedroCG disse…
Concordo com quase tudo, menos com a necessidade de bagagem "intelectual" ou erudita para acesso a qualquer arte. A arte está nas emoções, cheguem-nos elas a partir de qualquer um dos sentidos. Ou melhor, vindo sempre elas de um só: our guts (e falha-me a palavra em português valha-me São Quitério!)
;-)
LPontes disse…
Tenho tido com o Cupido (Garficopo) algumas discussões sobre uma variante deste tema, a intelectualização ou não do gosto, defendendo eu, por norma, a posição visceral imediata(guts), e ele, fazendo jus à sua capacidade enófila, à da apreciação do vinho mediada por toda uma aculturação prévia e (pre) conceptual.
Penso, no entanto, que não se podem meter todas as artes no mesmo saco e que se há algumas imediatas e puramente emocionais, outras há que precisam mesmo de um percurso cultural prévio, até para serem sequer apreendidas.
Veja-se o exemplo da pintura de Rothko, invisível para o leigo, da música de Stockhausen, inaudível para quem está ao nível da música harmónica, ou até uma obra literária qualquer, inatingível para um analfabeto.

Nos últimos 30 dias...