Na cozinha dos chefes

Não pensem que esta actividade de escriba gastronómico é um mar de rosas - são as desilusões, os bloqueios criativos, as indecisões no melhor modo de abordar um tema, as dúvidas de última hora acerca de um ingrediente, uma preparação, um tempero, a solidão perante a falta de interlocutores...

E depois há momentos.

Momentos em que todo o universo parece suster a respiração e, num breve silêncio que tem o peso e a gravidade do infinito prazer, se atinge o êxtase da percepção da perfeição - como se ela fosse alcançável e dela nos aproximássemos intimamente.

Momentos em que se percebe que gastro e sexual são muito mais do que as duas metades de um título e que têm uma afinidade que é possível tornar real e passível de ser experimentada (porque a experiência gastronómica se torna tão sublime como a satisfação do desejo).

Momentos como o jantar desta noite, com uma enorme chapelada aos mestres Cyril Devilliers e Joaquim Sousa, alquimistas da minha pedra filosofal.















Comentários

Nos últimos 30 dias...