É que nem ginjas!

Já foi bebida intrínseca de Lisboa, hoje parece reduzida a ser emblemática, ponto de paragem para turistas em busca do very typical.

Dava-se a volta à Baixa, combustilizado por copinhos da dita, dos Restauradores à Mouraria, do Rossio ao Carmo.

Emigrou para Óbidos, onde faz as delícias do comércio local e pela capital dá corpo à esquizofrenia oficial que com uma mão louva e com a outra fecha.

Não percebo mas também não deve ser para nos esclarecer que o Estado existe.



Ginginha Sem Rival, Rua das Portas de Santo Antão
(
fundada no século XIX)

Ginjinha Espinheira, Largo de São Domingos
(
fundada em 1840 por Francisco Espinheira)
Ginjinha Rubi, Rua de Barros Queirós, 27
(
fundada em 1931)
Ginjinha da Mouraria, encerrada
Ginginha do Carmo, Escadinhas do Duque, fundada no século XIX
(FOnte: http://ginginhadocarmo.blogspot.pt/)

Comentários

Nos últimos 30 dias...