Culinary Arts 2.04 - O Vitor em Lisboa


Vou começar por corrigir uma injustiça, aproveitando a boleia da homenagem que o Chefe Nuno Diniz decidiu - em boa hora! - prestar ao restaurante O Vítor, e que consistiu na ominosa omissão feita à nossa visita / descoberta desta casa, no passado passeio de Agosto, ao Minho.

Pois O Vítor é um refúgio,


de bem comer o extraordinário bacalhau a que o Norte ainda tem acesso,


(ao contrário das raquíticas e mal curadas postas que pelo Sul circulam, quase unanimemente), muito bem antecedido pelos pasteis-que-lá-para-cima-e-também-nos-Brasis-são-bolinhos de bacalhau,


ou por um dos enchidos que - isso é comum a todo o país - são de truz.


N'O Vitor come-se bacalhau assado


com batatas a murro,


e o resto é paisagem.



Em São João de Rei, Póvoa de Lanhoso, perto do Gerês, um lugar onde vale a pena amesendar. Pela comida, pela simpatia do anfitrião e restante pessoal, pelo cantinho de nós que lá renovamos.

Falando de paisagem, era esta a que encontrámos, ao passar pelo pátio contíguo à sala de refeições:



(Por momentos, apeteceu-me uma sombra numa praia desconectada, mesa tosca e bancos de correr, um destes espécimes só para mim, pão alentejano com crosta estaladiça, pichel de vinho fresco, batatas com casca e sal grosso, almotolia devidamente atestada de azeite virgem e tempo. Tempo.)

Dia ainda mais de festa, saudação com uma flute deste Borlido, bolha muito suave, a enlear-nos a expectativa, a deixar a mente deambulante pelo rio tranquilo onde a língua brincava.


Na mesa, início da apresentação. Confusão no prato (sim, empratadores completamente derrotados pela pujança campesina do fumeiro barrosão), mas que preço menor pelas delícias provadas! Pobres dos bolinhos, a fazer figura de intelectuais no meio de tantos jogadores de rugby, logo eles que, a solo, se mostrariam sólidos representantes da tradição minhota!...


(Voltando à imagem da praia: na mesa, mais um panito, outro pichel, tarro de azeitonas galegas e um queijinho de ovelha curado para contrabalançar.)

Sendo dia de festa, engalanou-se o concelho da Póvoa de Lanhoso e acompanhou mestre Vítor à capital, com o verde vinho branco da Quinta Villa Beatriz, verde branco (Loureiro, Trajadura, Arinto). (Merece visita, esta quinta, a avaliar pelas fotografias do site...)



Finalmente, perante nós, o aguardado prato:


(Uma história antiga, ouvida há muito, chegou-me baixinho ao ouvido, "Quando lhe disseram que o Messias tinha nascido, Herodes não pode acreditar que o mesmo tinha vindo ao mundo num estábulo; certamente teria de ter merecido honras de rei, nascido em casa abastada, deitado em berço de ouro!")

Respeito. Perante esta matéria-prima, a única opção só poderia ser esta: simplicidade, simplicidade, simplicidade; expor os acompanhamentos sem mais nada, para além do manto de um azeite superior e deixar a natureza das coisas falar mais alto.

As batatas eram um portento. Aquelas lascas, pecaminosas. Inocentes. Jezebeis. Vestais.Todo o mundo e o seu contrário. Um hino a quinhentos anos de Corte Reais.

E como se este privilégio e a sua repetição fossem insuficientes, lá chegou o Vinhão (servido no restaurante),


para acompanhar uma boquinha do porco fumado alentejano com migas que mestre Nuno reservara, com receio de não ser suficiente o repasto... 


Faltou o cante (de que só ouvi os ecos que, enquanto degustava a peça, a memória me disponibilizou),



que me deixaria recostado a evocar a sobra de um chaparro numa estiada tarde musicada pelas cigarras, enquanto provava o leite-creme, digno final de uma digníssima refeição.


Comentários

Nos últimos 30 dias...