As Tascas no Cais

Há tascas em Lisboa? Cada vez menos... e cada vez mais.

Cada vez há menos lugares seculares, daqueles, de aspecto "rasca e banal" e que, "nesta Lisboa moderna" ainda mantêm "a tradição". "Pinguinha/dois brancos", "gimbrinha", "boémia e pifão", como memorizava o fado, são palavras de esquecimento.

Ah, pois é...

Mas tascas, do bom comer, sem pretensões a mais nada que não seja o fazer bem e o bem saber, lá vão abrindo, mantendo-se alavancadas na nossa paixão, no nosso prazer, na nossa gula. Perdidas na floresta da moda são poucas, mas existem.

Cerveja de paixão, também vai crescendo. Longe os tempos da unicidade das Lager, ainda mais longe os tempos das cervejarias à alemã, com bife e molho próprios, o presente vê, com alegria, nascer pequenos projectos artesanais, mas também olha com interesse a diversificação que a Super Bock vem produzindo, fruto do amor pela cerveja (e pelo aumento das vendas) de uma grande equipa e, principalmente, do saber e do cuidado de uma grande-senhora-que-conheci-tão-novinha-quanto-eu, a Engenheira Beatriz Carvalho, a única beer sommelier portuguesa e mestre cervejeira da companhia.

Verão, também vai persistindo em haver, legando-nos fins de tarde magníficos, a alaranjar o rio e a pedir pleasepleaseplease, deixem-nos disfrutar a paisagem, com uma bebida de eleição e comida ainda mais apetecível.

Nas coisas do desejo, há sempre quem junte a fome com a vontade de beber. Neste caso, para nosso deleite, e em repetição, à beira do rio, entre 9 e 19 de Julho, foi criado um espaço restaurativo, fornecido por 4 cozinhas, com dois balcões de uniceres para acompanhar. Chamaram-lhe Tascas no Cais e, oh boy, de tascas de bem comer está mesmo ele cheio.




É um evento integrado nos Encontros de Gastronomia, festivais de Verão organizados pela Super Bock e pela Essência do Vinho, em Lisboa apoiado pela CML, EGEAC (empresa municipal de animação cultural) e ATL (Associação de Turismo de Lisboa).

Ideia transversal a todos os Encontros (que acontecerão igualmente em Setúbal (12-23 de Agosto), Guimarães (27 Agosto-6 Setembro) e no Porto (3-13 Setembro) está a da harmonização das várias cervejas produzidas pela Super Bock com receituário emblemático das várias regiões.



No caso da capital, foram convidados alguns dos nomes que melhor sabem combinar a arte de bem fazer com o uso de elementos, técnicas e sabores tradicionais lisboetas: a Taberna da Rua das Flores, o colectivo Tasca de Três, que reune, especialmente para o efeito, os chefes Nuno Diniz e Nuno Barros e ainda o foodie (e cozinheiro) Rodrigo Menezes, a Cantina Lx e o Can the Can.


Serão ainda realizadas sessões de cozinha, tendo sido desafiadas grandes mãos para a reinterpretação de petiscaria lisboeta: Vitor Sobral, no dia 11, pelas 19h, Bertílio Gomes, no dia 12, pelas 14h; Justa Nobre, no dia 17, pelas 21h e André Magalhães, no dia 18, pelas 21h.

Dos primeiros dias, fica o registo fotográfico:

Rodrigo Menezes, animação garantida ao balcão da Tasca de Três
A sandes de porco fumado da Tasca de Três

Vítor Claro, convidado da Tasca, com os seus bijous, desta vez, de porco fumado


André Magalhães, alma mater da Taberna da Rua das Flores
Barbara Matos, a segunda alma da Taberna,
passarinho da Ribeira que aterrou na capital e por cá nos alegra
A brigada da Taberna em acção: três mestres em Ciências Gastronómicas
a darem razão aos distraídos que acham que o Mestrado,
dirigido pela Professora Paulina Mata é "curso de cozinheiros"
("nós somos é multitaskers!")
Horários: até 18 de Julho, das 12 às 24:00; no dia 19, encerramento às 16:00. A entrada custa 3,00€, com oferta de uma cerveja Super Bock original.  Nos dias die semana, entre as 12 e as 17:00, é gratuita. Os pratos custam entre 3 e 12 euros. A Super Bock original custa 1,50e, as Selecção 1927  2,50€.

Comentários

Miss You disse…
Alguém diz aos srs. que fizeram a 1ª ementa que Aljezur se escreve com J, please, please, pease!

Nos últimos 30 dias...