Algarve, roadbook parte 2 - Alcoutim


No âmbito do Festival da Dieta Mediterrânica, integrado no projecto SlowMed, organizado localmente pela In Loco, no âmbito de uma cooperação inter-estados mediterrânicos, com o apoio da UE, foi organizado um percurso gastronómico por todo o Algarve, com o intuito de dar a conhecer, aos participantes estrangeiros e não só, algumas das especialidades da região.

Magical Mystery Tour, lhe chamaram e teve um pouco de cada: a magia que as paisagens emprestam, da placidez do Guadiana, junto a Alcoutim, à vertigem do promontório de Sagres, o mistério dos saberes ancestrais que transforma cada matéria prima em deliciosas - à vista e ao sabor - preparações.

Nesta série, impressões e visões das várias paragens.

Alcoutim, município que já me tinha positivamente impressionado na sua visita aos almoços de 4ª feira da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, deixou-me apaixonado pelos produtos autóctones.

Depois de um olhar breve, de caminheiro motorizado, pelo encontro do Odeleite com o Guadiana, pelas margens deste e seu caminhar plácido, Algarve dentro - a Espanha tão perto!... -. esperavam-nos as vistas do castelo, com Sanlúcar de Guadiana em frente,



e uma desvairada exposição de produtos naturais e manufacturados de cortar a respiração a nacionais e estrangeiros, prova que este país necessita de uma nova mentalidade comercial, da implantação de redes de escoamento de produtos regionais, suficientemente estruturadas para a sua sustentação, suficientemente pequenas para não desvirtuar as características da produção... ou uma nova cultura gastronómica, que aumente a mobilização das pessoas para a busca e visita a estes produtores, que promova a sua qualificação e impeça o desvirtuamento em nome de um imaginado progresso ou demanda turística. Utopias, eu sei, mas deixem-me sonhar um pouco, perante tão formidáveis exemplares frutícolas,


  



tão harmoniosos, equilibrados e absolutamente pecaminosos produtos da doçaria local,





Bolo da Sagrada Trilogia Algarvia: Alfarroba, Figo e Amêndoa

Bolo de Cenoura

Bolo de Alfarroba




tão profundamente apetecíveis enchidos e presunto...







Paremos um pouco, depois desta avolumada exposição visual. Tempo de pausa que tomo para suspirar profundamente, de saudade e muito desejo, pelo mais incrível, inacreditável, irresistível, fruto de Deus, do diabo e do Homem, berço e memória, celebração e recolhimento, comunhão e partilha,
PÃO




que comi fora do Alentejo e cujo sabor, perante estas imagens, ainda consigo evocar. Pão de Martim Longo, com toda a justiça considerado o melhor pão do Algarve.

Para registo, fica o contacto de Mestre João Lúcio, obreiro maior:

Mestre Lúcio - Panificadora, Lda. Tel. 967 944 480
Pessegueiro - 8970 Martim Longo

De ir às lágrimas, ajoelhar em profundo agradecimento e permanecer em silêncio perante esta herança de milénios - de onde, senão da memória genética, nos vem a identificação que sentimos, o despertar das emoções mais básicas, mais puras, mais... humanas?

De saberes milenares, se faz igualmente o mel da serra, predominantemente de Rosmaninho, também provado, espécie de ide-em-paz-e-que-Deus-vos-abençoe, com a companhia da rara (porque trabalhosa, porque de rendimento reduzido) água mel (ver esta reportagem)

Colmeia tradicional, feita com cortiça

Quadros com ninhos



Segredo perdido na serra algarvia que merece inconfidências bastas, Alcoutim espera-nos. Se fizerem favor, tragam-me um pão do senhor , de cada vem que lá estiverem. E fruta. E mel. E enchidos...

E os restantes fornecedores, foram

Café Rodrigues
Feito no Zambujal,
Apicultor António Joaquim
Pjm, comércio de legumes e frutas, Lda.




Comentários

Nos últimos 30 dias...