Às Cegas em S. Miguel, vol. 2 - O Mercado de Ponta Delgada - Peixe



"O mar / Não tem marés a medir", inventou, um dia, no seu exílio do Faial, Fernando Tordo. Nem para o peixe que dele sai tenho eu palavras medidas, tão diferentes são as suas cores e caras. Abrótea, bicuda, bonito, cavala, chicharro, congro, moreia, peixe porco, serra, soam familiares, ainda que lhes não precise o rosto. Sei-lhes o sabor - magnífico, inultrapassável numa imaginária e desnecessária competição de gostos - e sei do meu amor por percorrer estas bancas. 

Cadáveres especialmente vivos, vivos na nossa antecipação da refeição, na memória futura do palato, cadáveres bem vindos, celebração de vida. Por quanto tempo, provavelmente não será a nossa geração a saber, mas pressinto que o saberá uma próxima de nós.

Façamos então de Epicuro, que já soam ao longe as trompetas do desastre, e o jogo de xadrez, sob as árvores e refrescado por um púcaro de fresco vinho, nos embarga a preocupação.

Hugo Nascimento (Peixaria e Tasca da Esquina) e Mário Cerdeira (100% Editores) - toca o telefone a toda a hora...



















Comentários

Nos últimos 30 dias...