Às Cegas em S. Miguel, vol. 3 - Eis o Mané Cigano!



Vem do nosso colo, da firmeza cheia de amor da mãe e da mimice das avós, da segurança dos lugares familiares, dos cheiros confortáveis, da arquitectura da memória de onde erradicámos lembranças desconfortáveis.

É assim a comida de conforto, construída prato a prato, absorvida subconscientemente que sempre desperta uma emoção, um remoto prazer, um estado de alma de pureza, descontracção, satisfação. Paz no centro do caos, silêncio de encontro à algazarra.


Somos felizes, assim.

Ao Mané Cigano fomos, alertados por voz conhecedora. É um lugar pequeno, de poucas mesas sempre cheias, balcão de alumínio e uma heterogeneidade de estímulos. Correm no ar os pedidos das mesas, os cheiros das iscas e do vinho com que se enchem jarros, a humidade das preparações.



Situa-se em Ponta Delgada e é um micaelense representante da inversa street food açoreana: a que se consome intra-muros, entre amigos e vizinhos, dois ombros e três pares de mãos. Perante estes petiscos, desarma-se a tradicional circunspecção ilhoa: as conversas são mais soltas, os sorrisos apresentam-se.



Lá se encontraram uns deliciosos chicharros de gato fritos, antes passados em farinha de milho que, não fora o jantar agendado, não nos arrancariam da mesa antes do esgotamento do stock da casa.


Provada também uma carne guisada de molhar os dedos com o pão no molho, lambarice de sempre,


como este hábito de acompanhar tudo com picles caseiros e vinho de tostão, amor que nunca me abandonará.


Que o turismo o não mate e a vida lhe corra sempre assim, Senhor Mané...

Mané Cigano
Rua Eng Jose Cordeiro, 1, São Miguel

Comentários

Maria Jose Elias disse…
Boa noite ,
Passei há uma semana por Ponta Delgada e almocei em "A Tasca" uns salmonetes e as inevitáveis lapas ...Que coincidência!

Nos últimos 30 dias...